RSS

Arquivo da tag: pessoal

Tudo que é sólido se desmancha no ar (ou A fragilidade dos segredos)

Não é fácil manter um segredo, nunca foi. Hoje, está ainda mais difícil. Com a velocidade que as informações correm, e com a quantidade de gente disponibilizando-as, é mesmo muito difícil encobrir qualquer coisa. Às vezes, a gente nem faz muito esforço pra manter as coisas encobertas, ainda que queira que elas permaneçam ‘secretas’.

Eu falo de tudo aqui. Sem grandes pudores, maiores vergonhas, nenhuma censura. Falo porque me faz bem, porque acho que faz bem a alguns outros; porque quero e porque gosto. Mas é claro que essa minha vontade de compartilhar ainda ia me trair. E, eis então, que esse dia chegou.

Hoje, descobri que, no mínimo, 2 pessoas do meu cursinho sabem sobre a minha transexualidade. Tudo indica que o tenham feito a partir daqui. Por alguns instantes, desesperei-me. E agora? Todos vão saber, serei linchado, humilhado, envergonhado. Nunca mais piso aqui, pensei. Porém, nem tudo foi tão ruim. A situação teve um desdobramento um tanto quanto surpreendente.

Alguém que julguei (e reside exatamente aí o meu primeiro erro!) como incapaz de compreender a diversidade das experiências de gênero mostrou-se muito mais tolerante do que qualquer um teria imaginado. Fui surpreendido com palavras de calmo afeto, tolerância e, o melhor de tudo, respeito! É, respeito, o respeito que neguei ao impor-lhe um pesado julgamento sobre seu caráter, posicionamentos e atitudes.

Contudo, não é tão simples assim. Sei que há mais uma pessoa que sabe do fato. Não sei quem é essa pessoa, não sei o que ela pensa de mim, ou pensou quando do momento da revelação; e o pior: tomei consciência de que, infelizmente, estou sendo criteriosamente observado e julgado. Não quero cometer, mais uma vez, o erro de precipitar-me e ter uma opinião errada sobre alguém, mas desconfio das boas intenções dessa pessoa, uma vez que, ao desconfiar, já correu logo a comentar com outros. E, problema talvez maior, não se sabe com quantos outros.

À que julguei precipitadamente (e cada vez mais a vida me mostra que TODO e QUALQUER julgamento é predestinado à precipitação), ofereço as minhas sinceras desculpas. Não sei se um dia ela lerá isto, ou, ainda, se será capaz de reconhecer-se aqui, mas aí está: um pedido de desculpas público em um lugar em que tudo se revela.

Estou tenso. Há o temor, mais do que nunca, de ser revelado a qualquer momento. Minha couraça protetora começa a rachar. Sabia que ela era não era infalível, mas a julguei impenetrável. Ah, como fui tolo. Eu mesmo posso ter fornecido a arma de meu assassinato. Dramas de lado, fica uma lição: tudo é revelado, segredos são frágeis. Não confie demais nos seus.

 

Tags: , ,

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: